Arquivo

Posts Tagged ‘bairral’

Profissionais do Instituto Bairral presentes no Freemind 2016

Diversos profissionais do Instituto Bairral, dentre eles psicólogas, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, conselheiros e médicos, participaram do 4.º Congresso Internacional Freemind, ocorrido entre os dias 7 e 11 de dezembro no Expo Dom Pedro, em Campinas (SP).
O tema deste ano foi “Drogas – Por um mundo melhor, vamos tocar nesse assunto”, e o objetivo foi propor o envolvimento e a reflexão de toda sociedade para debater esse tema difícil, porém, de fundamental importância.
Durante o Congresso Freemind os participantes do Bairral tiveram a oportunidade de presenciar palestras e mesas de discussões com diversos temas envolvendo a dependência química, englobando assuntos como prevenção, família, tratamentos e políticas públicas, entre outros.
A presença nesse conclave foi de grande valia para os profissionais e contribuirá para a atuação dos mesmos dentro de suas equipes e com os pacientes atendidos. Também ensejou repensar a realidade dos pacientes de uma maneira ampla e conhecer melhor a rede de saúde externa, tendo constituído uma grande oportunidade para aprimorar formas de atuação e perceber que o nosso trabalho com dependentes químicos segue os preceitos explanados por diversos palestrantes e entidades.

Diversos profissionais do Instituto Bairral, dentre eles psicólogas, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, conselheiros e médicos, participaram do 4.º Congresso Internacional Freemind.

Diversos profissionais do Instituto Bairral, dentre eles psicólogas, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, conselheiros e médicos, participaram do 4.º Congresso Internacional Freemind.

Confraternização das Residências Terapêuticas Tipo II

No dia 16 de dezembro deu-se a primeira confraternização do Serviço de Residência Terapêutica Tipo II (SRT) do Instituto Bairral. O evento aconteceu na Casa 2, localizada à Rua Presidente Kennedy n.° 92, e foi organizado pelos funcionários, com a participação dos moradores das residências que compõem o serviço, os quais opinaram quanto ao cardápio e cada um escolheu seu presente de Natal. Participaram 87 pessoas, sendo 43 moradores do SRT tipo II, 4 moradores do SRT tipo I, 13 familiares e 27 funcionários do SRT e CAPS II “Onofre Batista”.

Esse encontro proporcionou sentimentos de muita emoção, afetividade e alegria entre os moradores, tendo contribuído para o resgaste de boas lembranças do passado e para a ressocialização. O carinho da equipe fica cada dia mais evidenciado em acontecimentos dessa natureza, nos quais os vínculos afetivos são resgatados pelos próprios funcionários, pela comunidade e demais moradores.

Equipe Residência Terapêutica Tipo II (SRT) do Instituto Bairral.

Equipe Residência Terapêutica Tipo II (SRT) do Instituto Bairral.

Palestra sobre autismo no CEPAB

O autismo foi o tema discutido no dia 13 de dezembro em evento organizado pelo Centro de Estudos Psiquiátricos Américo Bairral (Cepab). O Dr. Fernando Zezza, psiquiatra da infância e da adolescência e membro do corpo clínico do Instituto Bairral, e a Dra. Érica Maia, médica-residente R3 no hospital, abordaram-no em uma palestra aberta para todos os funcionários.

Na apresentação, a Dra. Érica referiu-se ao conceito de cérebro social, atualizações sobre etiologia genética e ambiental e as principais mudanças desse diagnóstico no DSM-V, que dimensionou no Transtorno do Espectro Autista (TEA) quatro importantes categorias diagnósticas já conhecidas.

O Dr. Fernando trouxe de maneira detalhada todos os aspectos envolvidos no tratamento desses pacientes, que vai muito além dos medicamentos, sendo necessária a presença de múltiplos profissionais (neuropsicólogo, terapeuta ocupacional, neurologista, pediatra, além do psiquiatra). E como as famílias, além dos pacientes, não podem deixar de ser assistidas. Focalizou também as atualizações referentes às formas ditas alternativas de tratamento, e os riscos que essa prática implica.

A Dra. Érica ressalta que, apesar de até o momento o Instituto Bairral não dispor de um serviço de internação infantil, não se pode esquecer que crianças autistas também envelhecem, de modo que são muitos os pacientes que se internam com esse diagnóstico quando os recursos extra-hospitalares se esgotam. “Essa é uma demanda nossa aqui no hospital: conhecer melhor esses pacientes e esse transtorno”, diz ela.

O Dr. Fernando acentua: “Não podemos esquecer que crianças com TEA devem ter a chance de receber um tratamento de qualidade. Trabalho num setor do Bairral com muitos adultos com esse diagnóstico e consigo ver muito do que poderia ter sido feito quando eles eram mais novos. Já nessa fase o limite que podemos alcançar é mais próximo, mas ainda há o que ser feito”.

Não é a primeira vez que a equipe técnica discute esse tema. Na apresentação, foi relembrado o filme “Adam”, sobre um homem adulto com Asperger (uma das categorias incorporadas ao TEA) que já foi discutido no projeto “Cine Psiquiatria” no início deste ano.

 Dra. Érica Maia, médica-residente R3 no hospital e Dr. Fernando Zezza, psiquiatra da infância e da adolescência e membro do corpo clínico do Instituto Bairral.

Dra. Érica Maia, médica-residente R3 no hospital e Dr. Fernando Zezza, psiquiatra da infância e da adolescência e membro do corpo clínico do Instituto Bairral.

Bastidores: Aconselhamento em Dependência Química

O Instituto Bairral de Psiquiatria dispõe, no setor de Dependência Química do Prédio Central e no setor Mirante, como parte integrante da equipe multidisciplinar, de um trabalho de aconselhamento. Os conselheiros diariamente acompanham, elaboram e coordenam atividades terapêuticas com os pacientes internados.

Das contribuições desses conselheiros ressaltamos:

  • Grupos de Partilhas de Sentimentos – De maneira empática e ética, ocorre o compartilhamento das histórias etnográficas, os sentimentos, emoções e ações de cada indivíduo.
  • Grupos Temáticos – Inserção de temas diversificados com funções morais, comportamentais e espirituais na didática e reflexão.
  • Grupos de 12 Passos – Este é o “carro-chefe” do programa de aconselhamento, que é trabalhado por meio das ferramentas dinâmicas de mudança do estilo de vida.
  • Grupos de Prevenção à Recaída – Estratégias de enfrentamento de situações de risco e motivação à prática de ações de proteção à recaída.
  • Grupos Familiares – Reuniões semanais com os familiares dos dependentes químicos acolhidos no hospital, esclarecendo dúvidas sobre o tratamento, a dinâmica da dependência química, ações de gerenciamento e manejo e conscientização sobre co-dependência.
  • Grupos de Espiritualidade – Encontro com introdução de princípios espirituais, temas transversais e humanistas que elevam de maneira pragmática a autoestima, a esperança, a solidariedade, a fé, o amor, o perdão, a alteridade e o altruísmo. A musicalidade e o compartilhar fazem a essência desses encontros.

Os conselheiros atuam através do acolhimento e do manejo de comportamento, focando suas intervenções para que os pacientes percebam a necessidade de mudança, estimulando-os para a qualidade de vida e para a recuperação. Interagem nas atividades multidisciplinares, incluindo atividades de lazer, atividades lúdicas (com dinâmicas voltadas para a busca de ressignificação da vivência da dependência química), e também ofertam semanalmente vídeoterapia com filmes temáticos e terapêuticos, com posterior discussão.

O Instituto Bairral conta atualmente com oito conselheiros, divididos por setores femininos e masculinos, e que estão disponíveis para auxiliar na recuperação e reinserção social dos pacientes.

Coordenadora Maria Cristina Martin Altafini, juntamente com equipe multidisciplinar de conselheiros do Instituto Bairral.

Coordenadora Maria Cristina Martin Altafini, juntamente com equipe multidisciplinar de conselheiros do Instituto Bairral.

Evento “A psiquiatria Forense na Prática Clínica” foi Sucesso de Público e de Conteúdo

Na manhã de 24 de setembro estiveram reunidas mais de 80 pessoas no Centro de Educação Continuada do Instituto Bairral de Psiquiatria para discutir algumas das aplicabilidades da psiquiatria forense no dia-a-dia dos profissionais de saúde e dos operadores do Direito. O objetivo foi atualizar os associados do Centro de Estudos Psiquiátricos Américo Bairral (Cepab) e outros presentes sobre o que vem a ser a psiquiatria forense, uma vez que muitos ainda desconhecem esta área de especialização, a qual lida com a interface entre lei e psiquiatria. Os psiquiatras forenses trabalham com tribunais, onde, a pedido da Justiça, avaliam a capacidade de pessoas para atos da vida civil e também a capacidade de serem responsabilizadas criminalmente. A psiquiatria forense atua nos casos em que existe qualquer dúvida sobre a integridade ou a saúde mental dos indivíduos, em qualquer área do Direito, buscando esclarecer à Justiça se há ou não a presença de um transtorno ou enfermidade mental e quais as implicações da existência ou não de um diagnóstico psiquiátrico, por exemplo.

Para esse encontro o Cepab convidou o Dr. Marcelo Ortiz de Souza, psiquiatra e Diretor Técnico do Instituto Bairral, que fez uma explanação sobre o tema “O estado da arte da psiquiatria forense do Brasil e no mundo”. Em sua fala mostrou a evolução histórica da psiquiatria no mundo e como a psiquiatria forense foi sendo construída dentro desse cenário, e chamou a atenção para o primeiro caso conhecido da história em que o judiciário francês solicitou a presença de um psiquiatra para opinar sobre um indivíduo que havia cometido um crime e avaliar o seu estado mental. Em seguida, o Dr. Rafael Lopes, que é psiquiatra com residência e título de especialista na área de psiquiatria forense, atual colaborador do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psiquiatria Forense e Psicologia Jurídica (Nufor) do Instituto de Psiquiatria (IPq) da Faculdade de Medicina da USP, e também médico do corpo clínico do Instituto Bairral, ministrou duas palestras; a primeira abordou “As internações involuntárias e compulsórias no Estado de São Paulo: lições aprendidas e boas práticas”, na qual discorreu, por meio de exemplos práticos, sobre a execução da Lei 10.216, do Estatuto do Idoso, do Estatuto da Criança e do Adolescente e da nova Lei de Drogas no Brasil; a segunda palestra versou sobre a avaliação da responsabilidade penal de indivíduos, também ilustrando com casos conhecidos da mídia nacional e internacional.

A diretoria do Cepab, uma das federadas da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), agradece os participantes pela presença e principalmente os dois palestrantes, pela generosidade e disponibilidade em compartilhar seus saberes com todos os que estiveram presentes.

Dr. Marcelo Ortiz de Souza, psiquiatra e Diretor Técnico do Instituto Bairral.

Dr. Marcelo Ortiz de Souza, psiquiatra e Diretor Técnico do Instituto Bairral.

Dr. Rafael Lopes, que é psiquiatra com residência e título de especialista na área de psiquiatria forense, juntamente com Dr. Marcelo Ortiz Ortiz de Souza.

Dr. Rafael Lopes, que é psiquiatra com residência e título de especialista na área de psiquiatria forense, juntamente com Dr. Marcelo Ortiz de Souza.