Arquivo

Posts Tagged ‘comunidade terapêutica’

Curso de Capacitação do “Programa Recomeço”

Nos dias 24 e 25 de abril Aline Bosso Tagliatti, Silvana Cristina Puggina Guilherme, Vanessa Aparecida Momesso e Wanessa Maria Oliveira, assistentes sociais do Instituto Bairral de Psiquiatria, e os funcionários da Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota Larissa Melo (assistente social), Juliana Marques Florencio (enfermeira) e Daniel José Olympio (conselheiro) participaram do curso “Capacitação de agentes multiplicadores: intervenções breves para usuários de risco de drogas psicotrópicas”, realizado no Centro de Educação Continuada do Instituto Bairral. A iniciativa do curso é do Governo do Estado de São Paulo, que, cumprindo a missão geral de promover direitos humanos e cidadania, bem como estimular ações de saúde pública, criou, em 2011, a Coordenação de Políticas sobre Drogas (Coed) na Secretaria da Justiça e da Cidadania, cuja atribuição é articular ações para estimular as políticas sobre drogas no território paulista. Uma das prioridades do governo em relação ao problema de drogadição é a oferta de tratamento a dependentes químicos e familiares. Para isso lançou, no inicio de 2013, o “Programa Recomeço”, que tem como objetivo, em benefício dos drogaditos, a execução de ações de prevenção, tratamento, reabilitação, acolhimento institucional, reinserção social, acesso à Justiça, redução de situações de vulnerabilidade social e de saúde. O programa é executado por meio de trabalho integrado envolvendo secretarias estaduais, administração direta e indireta, municípios, Poder Judiciário e grupos de mútua ajuda. Uma das primeiras ações do “Programa Recomeço” é a capacitação de agentes multiplicadores sobre intervenção breve, focando os municípios com menos de 50 mil habitantes de 11 Regiões Administrativas do Estado de São Paulo. Esse modelo de intervenção visa a identificar os problemas potenciais decorrentes do uso de álcool e/ou outras drogas e motivar as pessoas a mudarem o comportamento. Conforme a Organização Mundial de Saúde, as intervenções breves têm–se mostrado efetivas e cada vez mais valiosas no gerenciamento de indivíduos que apresentam comportamento de uso nocivo de álcool e/ou outras drogas. Essa atividade preenche uma lacuna existente entre a atenção primária à saúde e os tratamentos especializados, além de ser importante no encaminhamento dos pacientes para o tratamento. A intervenção breve pode ser útil também para profissionais como assistentes sociais, conselheiros do sistema judiciário, profissionais de saúde mental ou qualquer outro profissional que lide com pessoas com problemas decorrentes do uso de álcool e/ou outras drogas.

Funcionários da Comunidade Terapêutica Santa Carlota e do Instituto Bairral presentes no curso.

Funcionários da Comunidade Terapêutica Santa Carlota e do Instituto Bairral presentes no curso.

Participantes do curso de capacitação do “Programa Recomeço”.

Participantes do curso de capacitação do “Programa Recomeço”.

I Simpósio “Conversando sobre Internação Psiquiátrica e Dependência Química”

No dia 15 de março foi realizado no anfiteatro do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, em São Paulo (SP), o I Simpósio “Conversando sobre Internação Psiquiátrica e Dependência Química”.

Um grupo de funcionários do Instituto Bairral participou do evento: as assistentes sociais Ana Lívia e Wanessa Maria, do próprio hospital, e a psicóloga Maísa, a secretária Aline e os conselheiros Ulisses, Rubens, Ivair, Ricardo e Bruno, todos da Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota.

Importante destacar que o Coordenador da CT Santa Carlota, Maurício Landre, foi um dos palestrantes do simpósio, apresentando o Modelo de Comunidade Terapêutica nela adotado.

Durante o evento foram discutidas questões como quando há indicação para internação, manejo de enfermagem no contexto da internação psiquiátrica para dependentes químicos, atividade física para dependentes químicos, família e sociedade, legislação, dentre outros.

Grupo de funcionários do Instituto Bairral participando do evento.

Grupo de funcionários do Instituto Bairral participando do evento.

Coordenador da Comunidade Terapêutica Santa Carlota, Maurício Landre.

Coordenador da Comunidade Terapêutica Santa Carlota, Maurício Landre.

Palestra sobre Recursos Humanos na Comunidade Terapêutica

No dia 13 de fevereiro foi proferida na Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota uma palestra sobre o tema “O mercado de trabalho hoje” para os residentes em recuperação, com o intuito de orientá-los e prepará-los para o reingresso na vida profissional. A palestrante foi a Coordenadora de Recursos Humanos do Instituto Bairral, Maria Stella N. J. Mistro, que levou informações e dicas que podem contribuir para um novo momento na vida dos residentes da Comunidade Terapêutica.

A palestra abordou temas como:

  • as mudanças de cenário e paradigma no mercado de trabalho;
  • onde o mercado de trabalho se apresenta;
  • como as empresas se apresentam no mercado;
  • como os candidatos devem se apresentar no mercado;
  • como elaborar um currículo;
  • que profissional o mercado busca;
  • quais as competências necessárias nos dias de hoje;
  • como preparar-se para um processo seletivo.

O evento contou com a presença de 70 residentes, que se mostraram atentos, interessados e interagiram com a palestrante, desfazendo dúvidas e pontuando suas reais dificuldades.

Palestra sobre Recursos Humanos na Comunidade Terapêutica

Palestra sobre Recursos Humanos na Comunidade Terapêutica

Palestra sobre Recursos Humanos na Comunidade Terapêutica

Palestra sobre Recursos Humanos na Comunidade Terapêutica

Palestra Contra Drogas na Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota

No dia 20 de novembro o Dr. Antônio Carlos Crivelaro, cirurgião-dentista e funcionário do Instituto Bairral de Psiquiatria, proferiu palestra sobre o tema “A vida não é uma droga. Dependência química tem jeito!” na Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota.

Essa atividade é integrante de uma campanha contra drogas que vem sendo realizada em Itapira (SP) e em Mogi Mirim (SP), patrocinada pela APCD (Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas) – Regional de Mogi Mirim e pelo Lions Clube de Itapira, coordenada pelo Dr. Crivelaro, que está percorrendo escolas, empresas e entidades dos dois municípios.

De acordo com o ministrador, a palestra na Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota foi elaborada no sentido de promover uma interação com os presentes, que também tiveram oportunidade de falar sobre o assunto e dar seus depoimentos. “Na apresentação, usamos material projetado constituído de slides e vídeos musicais com conjuntos de sucesso nos anos 80 e 90, como Titãs, Legião Urbana, Jota Quest e Catedral, sendo este último da linha Gospel. Todas as músicas apresentadas exibiram legendas das letras, as quais de alguma forma tinham relação com o tema. Após a apresentação de cada música, de imediato se estabelecia uma discussão sobre a letra da mesma, para que  as atenções não se desviassem. Na última parte, mostramos os males que as drogas provocam nos dentes, quando então inúmeras perguntas foram respondidas”, ressaltou o dentista.

Elaborada para ter duração de 60 minutos, a forma pela qual foi conduzida, com depoimentos pessoais e opiniões dos ex-usuários, estendeu a palestra por cerca de duas horas. Perguntado sobre o evento, o Dr. Crivelaro respondeu: “Se o encontro permitiu que trouxéssemos algo positivo para oitenta pessoas que tentam se livrar das drogas, para nós também não foi diferente, já que conhecer a experiência de vida de ex-usuários significa vivenciar situações que fogem completamente do contexto teórico demarcado pela sociedade, sabidamente preconceituoso e que generaliza a dependência química mais no plano criminal do que no patológico”, concluiu.

Dr. Antônio Carlos Crivelaro, cirurgião-dentista e funcionário do Instituto Bairral de Psiquiatria

Dr. Antônio Carlos Crivelaro, cirurgião-dentista e funcionário do Instituto Bairral de Psiquiatria

Presentes na palestra Contra Drogas na Comunidade Santa Carlota

Presentes na palestra Contra Drogas na Comunidade Santa Carlota

Comunidade Terapêutica Santa Carlota presente no XXII Congresso Brasileiro da ABEAD

De 4 a 7 de setembro a cidade de Búzios (RJ) sediou o XXII Congresso Brasileiro da ABEAD (Associação Brasileira de Estudo do Álcool e Outras Drogas), que focou o tema “Controvérsias em dependência química: Ciências e Sociedade discutem”. A Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota, um serviço do Instituto Bairral de Psiquiatria, esteve presente na pessoa de seu coordenador técnico Maurício Landre.

Segundo Maurício, esse talvez tenha sido o congresso da ABEAD que mais inovou e surpreendeu os participantes nos últimos tempos, tanto pelo tema quanto pelo conteúdo, que deram tom e facilitaram a discussão saudável e atual sobre a questão das drogas e, de fato, o que percebemos na realidade, quando procuramos informações e tratamento para o abuso e dependência de drogas e álcool.

Ao tratar as controvérsias que existem em relação à dependência química, não só foram disponibilizados dados baseados em evidência comprovada como também experiências bem sucedidas com algumas alternativas terapêuticas disponíveis e diferenciadas, como, por exemplo, as comunidades terapêuticas e o tratamento por meio de técnicas orientais de meditação e visão do ser humano sob outras perspectivas além da médica e clínica.

No dia 4, no período da tarde, foram realizados cinco cursos, os quais trouxeram dados e experiências importantes em relação aos desafios e políticas públicas sobre álcool e drogas:

  1. Crack: Desafios do Tratamento. Coordenado pelo Dr. Carlos Alberto Iglesias Salgado (RS)
  1. Maconha: Um Desafio Persistente. Coordenado pelo Dr. Sérgio de Paulo Ramos (RS)
  1. Tratamento do Tabagismo: Suplantando as Principais Barreiras. Coordenado por Sabrina Pressman (RJ)
  1. Como Preparar uma Política de Atenção e Prevenção de Álcool e Drogas nas Empresas. Coordenado por Ana Cristina de Melo e Souza (RJ), Joaquim Ferreira de Melo Neto (RJ) e Selene Franco Barreto (RJ)
  1. Comunidades Terapêuticas: Evidências e Experiências. Coordenado por Maurício Landre (SP)

Este último, específico sobre comunidades terapêuticas, foi preparado e coordenado por Maurício Landre, Assistente Social, Especialista em Dependência Química pela UNIFES e Coordenador Técnico da Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota, um programa resultante de parceria público-privada entre a Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo e o Instituto Bairral de Psiquiatria.

Ao expor o seu tema, Maurício ressaltou que a experiência de um ano de funcionamento da CT Santa Carlota vem demonstrando que as comunidades terapêuticas bem estruturadas, com equipe capacitada e recursos para gerir um bom programa, podem dar resultados excelentes por um custo reduzido, sendo capazes de atender à demanda reprimida de pessoas que buscam um programa de reabilitação psicossocial de médio e longo prazo, capaz de auxiliar os dependentes a reorganizar suas vidas e encontrar recursos internos para uma reinserção e reintegração social saudável.

A solenidade de abertura do evento foi marcada pela reaproximação mais que oportuna entre a Associação Brasileira de Estudos de Álcool e Outras Drogas – ABEAD e a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD. O Secretário deste último órgão, Dr. Vitore Maximiliano, encarregou-se da palestra inaugural e nela demonstrou estar atento aos acontecimentos que assustam as famílias e os órgãos públicos, bem como às discussões acaloradas que estão ocorrendo no Congresso Nacional e na área do Executivo. Afirmou com clareza e convicção a postura contra a liberação da maconha e outras drogas e colocou-se à disposição da ABEAD e das instituições de ensino e pesquisa para que seja ampliada a produção de dados referentes a questões que envolvem o consumo, abuso e dependência de substâncias.

Da mesa-redonda que aconteceu na tarde do dia 6 de setembro, com o tema “Comunidades terapêuticas: por que não param de se multiplicar?”, tomaram parte junto com Maurício Landre o Dr. Ronaldo Alves Carvalho, médico do Caps de Bagé (RS) e Hilson Cunha Filho, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – CESNOVA, de Portugal. Hilson mencionou o êxito da experiência portuguesa de incorporar à rede de equipamentos dos serviços de saúde de Portugal as comunidades terapêuticas, cujo processo percorreu o mesmo caminho daquele que vem acontecendo no Brasil, decorrente de uma epidemia de crack (em Portugal foi de heroína), pela via política e tentando resolver emergencialmente as consequências extremamente nocivas aos usuários e também aos familiares e à sociedade. A enorme diferença entre as estratégias e a realização das parcerias e construção da rede se dá pela velocidade em que foram cadastradas, equipadas e capacitadas todas as alternativas de enfrentamento e a construção da política nacional e da rede de atenção sobre drogas. Muito dessa diferença de velocidade se dá pela participação ativa do Estado e das dimensões populacionais e diferenças regionais de nosso País; só a título de informação, a população de Portugal é equivalente à população da cidade de São Paulo: qualquer comparação que queiramos fazer entre políticas e estrutura, se não levarmos em consideração essas diferenças – somadas às culturais – não há espaço para uma reflexão coerente.

Maurício Landre Coordenador Técnico da Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota

Maurício Landre Coordenador Técnico da Comunidade Terapêutica Rural Santa Carlota

Curso Comunidades Terapêuticas: Evidências e Experiências coordenado por Maurício Landre

Curso Comunidades Terapêuticas: Evidências e Experiências coordenado por Maurício Landre

Maurício Landre e Vitore Maximiliano (Secretário Nacional da SENAD)

Maurício Landre e Vitore Maximiliano (Secretário Nacional da SENAD)